sexta-feira, 25 de março de 2011

quinta-feira, 24 de março de 2011

PROMOÇÃO!!!

TEM PROMOÇÃO NO BLOG: WWW.COISINHASDEBLOG.COM.BR, SORTEIO DE TEMPLATE, PARTICIPEM!!!!
EU JÁ ESTOU PARTICIPANDO!!!

FESTIVAL ARCA DE NÓE 2010
















A FANTASIA FOI CONFECCIONADA POR MIM,AS MASCARAS SÃO DE EVA E A ROUPINHA DE TNT.

quarta-feira, 23 de março de 2011

MOLDES - PASCOA









segunda-feira, 14 de março de 2011

INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

INDICADORES DA QUALIDADE
NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Este documento foi construído com o objetivo de auxiliar as equipes que atuam na educação infantil, juntamente com famílias e pessoas da comunidade, a participar de processos de autoavaliação da qualidade de creches e pré-escolas que tenham um potencial transformador. Pretende, assim, ser um instrumento que ajude os coletivos – equipes e comunidade – das instituições de educação infantil a encontrar seu próprio caminho na direção de práticas educativas que respeitem os direitos fundamentais das crianças e ajudem a construir uma sociedade mais democrática.
Compreendendo seus pontos fortes e fracos, a instituição de educação infantil pode intervir para melhorar sua qualidade, de acordo com suas condições, definindo suas prioridades e traçando um caminho a seguir na construção de um trabalho pedagógico e social significativo.

Sobre a atribuição das cores
● Caso o grupo avalie que essas ações, atitudes ou situações existem e estão consolidadas na instituição de educação infantil, deverá atribuir a elas a cor azul, indicando que o processo de melhoria da qualidade já está num bom caminho.
● Se, na instituição de educação infantil, essas atitudes, práticas ou situações ocorrem de vez em quando, mas não estão consolidadas, o grupo lhes atribuirá a cor vermelha, o que indica que elas merecem cuidado e atenção.
● Caso o grupo avalie que essas atitudes, situações ou ações não existem na instituição de educação infantil, atribuirá a elas a cor preta. A situação é grave e merece providências imediatas.
Perguntas que se referem a realidades específicas (ex: sobre povos indígenas ou população do campo) não devem ser preenchidas caso não se apliquem à instituição.

Avaliação sincera ajuda a resolver problemas
É importante lembrar que os indicadores que receberam a cor vermelha ou preta sinalizam prioridades de ação. Assim, é fundamental que a avaliação seja fiel. Se algo é vermelho e o grupo diz que é azul, não ajuda, apenas dificulta que a ação coletiva ocorra para mudar aquela situação. Com isso, toda a comunidade sai perdendo, principalmente as crianças.

Governabilidade
Sabemos que a busca pela qualidade da instituição de educação infantil não é uma responsabilidade exclusiva da instituição e da comunidade. Os órgãos governamentais – municipal, estadual e federal – têm papel fundamental na melhoria da educação no país. Por isso, recomendamos que, no fim das discussões, os grupos identifiquem, entre os indicadores que receberam as cores vermelha e preta, os problemas que devem ser encaminhados à Secretaria de Educação e ao Conselho Municipal de Educação.
O planejamento nos ajuda a definir e organizar as atividades que colocaremos em prática para alcançar nossos objetivos; a decidir quem serão as pessoas responsáveis por essas atividades; e a prever o tempo necessário para a execução.
O primeiro passo é saber o que queremos alcançar. Em seguida, precisamos identificar o que faremos para alcançar os objetivos e de quais recursos (financeiros, humanos, materiais, entre outros) precisamos para colocar nosso plano em ação. No caso deste trabalho, o principal objetivo é construir um atendimento de qualidade.
Uma vez definidas as ações e estabelecidos os prazos e os responsáveis pelas atividades, é importante indicar se as ações são de curto prazo (até o fim do ano), médio prazo (a serem realizadas no ano seguinte) ou longo prazo (a serem realizadas no ano subsequente).
Dificilmente um planejamento termina do mesmo jeito que começa. Há coisas que acontecem como o previsto e outras que nem tanto. Isso não quer dizer que o planejamento não deu certo, mas, sim, que ele exige acompanhamento e avaliação. É preciso estar atento, corrigindo o que está dando errado e observando o que muda para melhor. Uma comissão representativa pode ficar com a responsabilidade de monitorar a realização do plano de ação. Reuniões periódicas ajudam a verificar se as ações estão acontecendo como foram planejadas e no tempo determinado anteriormente e também a replanejar ações que não estão ocorrendo ou não estão dando certo.
Para avaliar se as ações planejadas estão solucionando os problemas detectados nas dimensões discutidas, pode-se recorrer ao uso deste instrumental a cada um ou dois anos, por exemplo. Se as cores que a comunidade atribuiu aos indicadores estiverem passando do preto para o vermelho ou do vermelho para o azul, é sinal de que o plano de ação está surtindo efeito.


1 - DIMENSÃO PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL

A creche, a pré-escola e os centros de educação infantil são instituições educativas destinadas a promover o desenvolvimento integral das crianças até 5 anos de idade. São espaços de formação também para os integrantes da equipe responsável e para as famílias.
Para que o trabalho realizado tenha condições de obter bons resultados, é muito importante que
todos tenham clareza a respeito dos objetivos da instituição e atuem conjuntamente de forma construtiva. Para orientar as atividades desenvolvidas, a equipe da instituição de educação infantil deve contar com uma proposta pedagógica em forma de documento, discutida e elaborada por todos, a partir do conhecimento da realidade daquela comunidade, mencionando os objetivos que se quer atingir com as crianças e os principais meios para alcançá-los.
A proposta pedagógica não deve ser apenas um documento que se guarda na prateleira.
Ao contrário, deve ser um instrumento de trabalho, periodicamente revisto, com base nas experiências vividas na instituição, nas avaliações do trabalho desenvolvido e nos novos desafios que surgem. Para isso, é muito importante que as diversas atividades desenvolvidas com as crianças sejam registradas e documentadas, de forma a permitir troca de informações dentro da equipe, acompanhamento dos progressos realizados pelas crianças e comunicação com as famílias.
Para elaborar a proposta pedagógica, a equipe de uma instituição de educação infantil deve se atualizar sobre as orientações legais vigentes e sobre os conhecimentos já acumulados a respeito da educação infantil. Livros, revistas, materiais acessíveis pela internet, entre outros recursos, são importantes subsídios para fundamentar o planejamento do trabalho pedagógico, a formação em serviço e o relacionamento com as famílias.

O INDICADOR 1.1. Proposta pedagógica consolidada
O 1.1.1. A instituição tem uma proposta pedagógica em forma de documento,
conhecida por todos?
O 1.1.2. A proposta pedagógica foi elaborada e é periodicamente atualizada com a
participação das professoras, demais profissionais e famílias, considerando os
interesses das crianças?
O 1.1.3. A proposta pedagógica estabelece diretrizes para valorizar as diferenças e
combater a discriminação entre brancos, negros e indígenas, homens e mulheres
e pessoas com deficiências?

O INDICADOR 1.2. Planejamento, acompanhamento e avaliação
O 1.2.1. As professoras planejam e avaliam as atividades, selecionam materiais e
organizam os ambientes periodicamente?
O 1.2.2. As professoras organizam o tempo e as atividades de modo a permitir que as
crianças brinquem todos os dias, na maior parte do tempo, tanto nas áreas externas
quanto internas?
O 1.2.3. As professoras auxiliam as crianças na transição de uma atividade a outra de
modo que isso se dê de forma tranquila?
O 1.2.4. A equipe da instituição conta com apoio da Secretaria Municipal de Educação
para supervisionar e avaliar o desempenho da instituição?
O 1.2.5. Na prática de planejamento e avaliação, criam-se condições para que as crianças
também possam manifestar suas opiniões?

O INDICADOR 1.3. Registro da prática educativa
O 1.3.1. Cada professora faz registros sobre as brincadeiras, vivências, produções e
aprendizagens de cada criança e do grupo?
O 1.3.2. A instituição possui documentação organizada sobre as crianças, como
ficha de matrícula, cópia da certidão de nascimento, cartão de vacinação e
histórico de saúde?

Explique a cor atribuída aos Indicadores da DIMENSÃO PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL (VERSO)


2 - DIMENSÃO MULTIPLICIDADE DE EXPERIÊNCIAS E LINGUAGENS

O educador italiano Loris Malaguzzi escreveu uma poesia sobre “As cem linguagens da criança”. Nela, ele nos fala das cem maneiras diferentes de a criança pensar, sentir, falar, inventar, sonhar... Mas, diz a poesia, os adultos roubam noventa e nove dessas cem linguagens das crianças.
Na avaliação de uma instituição de educação infantil, devemos perguntar: o trabalho educativo
procura desenvolver e ampliar as diversas formas de a criança conhecer o mundo e se expressar?
As rotinas e as práticas adotadas favorecem essa multiplicidade ou, ao contrário, como sugere o
poeta, roubam a possibilidade de a criança desenvolver todas as suas potencialidades?
Em seu desenvolvimento, a criança vai construindo sua autonomia: cada etapa percorrida abre inúmeras possibilidades de expressão e atuação. Assim acontece quando o bebê aprende a reconhecer rostos e vozes de pessoas próximas, quando a criança pequena começa a engatinhar e explorar o ambiente, quando dá os primeiros passos, quando desenvolve a fala e amplia seu vocabulário, quando aprende novas brincadeiras, quando consegue se alimentar sozinha, quando
observa imagens de um livro infantil, quando escuta estórias, quando se olha no espelho, e assim por diante.
A instituição de educação infantil deve estar organizada de forma a favorecer e valorizar essa autonomia da criança. Para isso, os ambientes e os materiais devem estar dispostos de forma que as crianças possam fazer escolhas, desenvolvendo atividades individualmente, em pequenos grupos ou em um grupo maior. As professoras devem atuar de maneira a incentivar essa busca de autonomia, sem deixar de estar atentas para interagir e apoiar as crianças nesse processo.
As professoras devem planejar atividades variadas, disponibilizando os espaços e os materiais necessários, de forma a sugerir diferentes possibilidades de expressão, de brincadeiras, de aprendizagens, de explorações, de conhecimentos, de interações. A observação e a escuta são importantes para sugerir novas atividades a serem propostas, assim como ajustes no planejamento e troca de experiências na equipe.

O INDICADOR 2.1. Crianças construindo sua autonomia
O 2.1.1. As professoras apoiam as crianças na conquista da autonomia para a
realização dos cuidados diários (segurar a mamadeira, alcançar objetos, tirar
as sandálias, lavar as mãos, usar o sanitário, etc.)?
O 2.1.2. As professoras incentivam as crianças a escolher brincadeiras, brinquedos
e materiais?
O 2.1.3. As professoras, na organização das atividades e do tempo, oferecem
simultaneamente um conjunto de atividades diferentes que podem ser escolhidas
pela criança de acordo com sua preferência?

O INDICADOR 2.2. Crianças relacionando-se com o ambiente natural e social
O 2.2.1. As professoras cotidianamente destinam momentos, organizam o espaço
e disponibilizam materiais para que as crianças engatinhem, rolem, corram,
sentem-se, subam obstáculos, pulem, empurrem, agarrem objetos de diferentes
formas e espessuras e assim vivenciem desafios corporais?
O 2.2.2. As professoras possibilitam contato e brincadeiras das crianças com animais
e com elementos da natureza como água, areia, terra, pedras, argila, plantas,
folhas e sementes?
O 2.2.3. A instituição leva as crianças a conhecer e a explorar, de forma planejada,
os diferentes espaços naturais, culturais e de lazer da sua localidade?
O 2.2.4. As professoras realizam atividades com as crianças nas quais os saberes
das famílias são considerados e valorizados?
O 2.2.5. As professoras criam oportunidades para que o contato das crianças com a
quantificação e a classificação das coisas e dos seres vivos seja feito por meio de
jogos, histórias, situações concretas e significativas?

O INDICADOR 2.3. Crianças tendo experiências agradáveis e saudáveis com o
próprio corpo
O 2.3.1. As professoras ensinam as crianças a cuidar de si mesmas e do próprio
corpo?
O 2.3.2. As professoras atendem de imediato as crianças em suas necessidades
fisiológicas, com aceitação e acolhimento?
Questão que se refere apenas a bebês e crianças pequenas
O 2.3.3. A instituição considera o ritmo da criança na retirada das fraldas e no
aprendizado do controle do xixi e do cocô?

O INDICADOR 2.4. Crianças expressando-se por meio de diferentes linguagens
plásticas, simbólicas, musicais e corporais
O 2.4.1. As professoras propõem às crianças brincadeiras com sons, ritmos e melodias
com a voz e oferecem instrumentos musicais e outros objetos sonoros?
O 2.4.2. As professoras possibilitam que as crianças ouçam e cantem diferentes tipos
de músicas?
O 2.4.3. As professoras incentivam as crianças a produzir pinturas, desenhos,
esculturas, com materiais diversos e adequados à faixa etária?
O 2.4.4. As professoras realizam com as crianças brincadeiras que exploram gestos,
canções, recitações de poemas, parlendas (Saiba Mais 4)?
O 2.4.5. As professoras organizam espaços, materiais e atividades para as
brincadeiras de faz de conta?
O 2.4.6. As professoras promovem a participação das crianças com deficiência em
todas as atividades do cotidiano?

O INDICADOR 2.5. Crianças tendo experiências agradáveis, variadas e
estimulantes com a linguagem oral e escrita
O 2.5.1. As professoras leem livros diariamente, de diferentes gêneros, para as
crianças?
O 2.5.2. As professoras contam histórias, diariamente, para as crianças?
O 2.5.3. As professoras incentivam as crianças a manusear livros, revistas e outros
textos?
O 2.5.4. As professoras criam oportunidades prazerosas para o contato das crianças
com a palavra escrita?
O 2.5.5. As crianças são incentivadas a “produzir textos” mesmo sem saber ler e
escrever?
Questão que se refere apenas a bebês e crianças pequenas
O 2.5.6. As professoras e demais profissionais adotam a prática de conversar com os
bebês e crianças pequenas mantendo-se no mesmo nível do olhar da criança, em
diferentes situações, inclusive nos momentos de cuidados diários?
Questão que se refere apenas a crianças de 4 até 6 anos
O 2.5.7. As professoras incentivam as crianças maiores, individualmente ou em
grupos, a contar e recontar histórias e a narrar situações?

O INDICADOR 2.6. Crianças reconhecendo suas identidades e valorizando as
diferenças e a cooperação
O 2.6.1. A instituição disponibiliza materiais e oportunidades variadas (histórias
orais, brinquedos, móbiles, fotografias - inclusive das crianças, livros, revistas,
cartazes, etc.) que contemplam meninos e meninas, brancos, negros e indígenas e
pessoas com deficiências?
O 2.6.2. A instituição combate o uso de apelidos e comentários pejorativos,
discriminatórios e preconceituosos, sejam eles empregados por adultos ou crianças?
O 2.6.3. As professoras utilizam situações cotidianas organizadas e inesperadas para
que as crianças se ajudem mutuamente e compartilhem responsabilidades e
conhecimentos em grupo (organizar brinquedos, guardar objetos, ajudar o
colega a superar alguma dificuldade, compartilhar brinquedos, etc.) ?

Explique a cor atribuída aos Indicadores da DIMENSÃO MULTIPLICIDADE DE EXPERIÊNCIAS E LINGUAGENS
(VERSO)




3 - DIMENSÃO INTERAÇÕES

A instituição de educação infantil é habitada por um grupo de adultos e por um grupo de crianças. É, portanto, um espaço coletivo de convivência, onde acontecem interações entre crianças, entre crianças e adultos e entre adultos. Sendo uma instituição educacional, essas interações devem ser formadoras, no sentido de que devem ser baseadas nos valores sociais que fundamentam sua proposta pedagógica. A cidadania, a cooperação, o respeito às diferenças e o cuidado com o outro são aprendidos na vivência cotidiana. Por isso, não podemos esperar que as
crianças desenvolvam essas atitudes se os adultos não as demonstram em sua forma de atuar na instituição, com as crianças, os colegas e as famílias.
As interações entre crianças devem ser observadas pelas professoras, que precisam interferir sempre que situações com maior grau de conflito ocorram. Os adultos não devem deixar de fazer uma intervenção segura e cuidadosa quando se deparam com expressões de racismo, de preconceito, agressões físicas e verbais entre crianças. Por outro lado, as relações de cooperação e amizade infantil devem ser incentivadas e valorizadas.
Muitas vezes, rotinas herdadas do passado, adotadas de forma rígida, representam um desrespeito ao direito e à dignidade das crianças. É preciso que os adultos estejam atentos para modificar aquelas práticas que tolhem as oportunidades de desenvolvimento infantil.
Favorecer interações humanas positivas e enriquecedoras deve ser uma meta prioritária de toda instituição educacional.

O INDICADOR 3.1. Respeito à dignidade das crianças
O 3.1.1. A instituição combate e intervém imediatamente quando ocorrem práticas
dos adultos que desrespeitam a integridade das crianças (castigos, beliscões, tapas,
prática de colocá-las no cantinho para “pensar”, gritos, comentários que humilham
as crianças, xingamentos ou manifestações de raiva devido a cocô e xixi, etc.) ?
O 3.1.2. Quando há conflitos entre as crianças ou situações em que uma criança
faz uso de apelidos ou brincadeiras que humilham outra criança, as professoras
e demais profissionais intervêm?

O INDICADOR 3.2. Respeito ao ritmo das crianças
O 3.2.1. As professoras organizam as atividades de modo que crianças não sejam
forçadas a longos períodos de espera?
O 3.2.2. As crianças podem dormir ou repousar, ir ao banheiro ou beber água
quando necessitam?
Questão que se refere apenas a bebês e crianças pequenas
O 3.2.3. Ao longo do dia, as professoras realizam atividades com os bebês e crianças
pequenas em diferentes lugares e ambientes?

O INDICADOR 3.3. Respeito à identidade, desejos e interesses das crianças
O 3.3.1. As professoras e demais profissionais chamam as crianças pelos seus nomes?
O 3.3.2. A instituição observa e atende aos interesses e necessidades das
crianças que são recém-chegadas, estão mudando de grupo ou se desligando
da instituição?
O 3.3.3. As professoras ajudam as crianças a manifestar os seus sentimentos (alegria,
tristeza, raiva, ciúme, decepção, etc.) e a perceber os sentimentos dos colegas e
dos adultos?
O 3.3.4. As crianças com deficiência recebem atendimento educacional
especializado – AEE quando necessitam
Questões que se referem apenas a bebês e crianças pequenas
O 3.3.5. As professoras e demais profissionais carregam os bebês e crianças
pequenas no colo ao longo do dia, propiciando interação, acolhimento e
afetividade?
O 3.3.6. As professoras observam como os bebês e as crianças pequenas se comunicam
pelo olhar, pelo corpo, pelo choro e verbalizações, a fim de compreender seus
interesses e planejar o cotidiano?

O INDICADOR 3.4. Respeito às ideias, conquistas e produções das crianças
O 3.4.1. As professoras e demais profissionais acolhem as propostas, invenções e
descobertas das crianças incorporando-as como parte da programação sempre que
possível?
O 3.4.2. As professoras reconhecem e elogiam as crianças diante de suas
conquistas?
O 3.4.3. As produções infantis estão expostas nas salas de atividades e ambientes
da instituição?
O 3.4.4. As professoras organizam junto com as crianças exposições abertas aos
familiares e à comunidade?

O INDICADOR 3.5. Interação entre crianças e crianças
O 3.5.1. As professoras organizam diariamente espaços, brincadeiras e materiais
que promovem oportunidades de interação entre as crianças da mesma faixa etária?
O 3.5.2. As professoras organizam periodicamente espaços, brincadeiras e materiais
que promovem oportunidades de interação entre crianças de faixas etárias
diferentes?
O 3.5.3. As professoras organizam espaços, brincadeiras e materiais acessíveis de
modo a favorecer a interação entre as crianças com deficiência e as demais crianças?

Explique a cor atribuída aos Indicadores da DIMENSÃO INTERAÇÕES
(VERSO)


4 - DIMENSÃO PROMOÇÃO DA SAÚDE

A atenção à saúde das crianças é um aspecto muito importante do trabalho em instituições de educação infantil. As práticas cotidianas precisam assegurar a prevenção de acidentes, os uidados com a higiene e uma alimentação saudável, condições para um bom desenvolvimento infantil nessa faixa etária até seis anos de idade.
A responsabilidade da instituição de educação infantil nesses aspectos é muito grande. É desejável que a equipe conte com uma competente orientação sobre as condutas adequadas para
cada grupo de idade. E que tenha também um bom contato com os serviços de saúde mais próximos, além de manter abertos os canais de comunicação com as famílias para melhor atuar em relação a problemas de saúde que possam ocorrer com as crianças e para se informar sobre as necessidades individuais que elas apresentam.

O INDICADOR 4.1. Responsabilidade pela alimentação saudável das crianças
O 4.1.1. A instituição dispõe de um cardápio nutricional variado e rico que atenda
às necessidades das crianças, inclusive daquelas que necessitam de dietas
especiais?
Questões que se referem apenas a bebês e crianças pequenas
O 4.1.2. As professoras seguem um programa da instituição para a retirada da
mamadeira e a introdução de alimentos sólidos (frutas, verduras, etc.)?
O 4.1.3. A instituição possibilita o acesso ao leite materno (Saiba Mais 5)?

O INDICADOR 4.2. Limpeza, salubridade e conforto
O 4.2.1. As salas de atividades e demais ambientes internos e externos são agradáveis,
limpos, ventilados e tranquilos, com acústica que permite uma boa comunicação?
O 4.2.2. O lixo é retirado diariamente dos ambientes internos e externos?
O 4.2.3. São tomados os cuidados necessários com a limpeza e com a higiene
nos momentos de troca de fraldas e uso dos sanitários (lixeiras com pedal e
tampa, retirada das fraldas sujas do ambiente imediatamente após as trocas,
higiene das mãos)?

O INDICADOR 4.3. Segurança
O 4.3.1. As tomadas elétricas estão colocadas no alto das paredes e possuem tampas
protetoras seguras?
O 4.3.2. O botijão de gás atende às especificações de segurança e fica em ambiente externo
protegido?
O 4.3.3. Produtos de limpeza, medicamentos e substâncias tóxicas são devidamente
acondicionados e mantidos fora do alcance das crianças?
O 4.3.4. A instituição protege todos os pontos potencialmente perigosos do prédio
para garantir a circulação segura das crianças e evitar acidentes?
O 4.3.5. A instituição tem procedimentos, preestabelecidos e conhecidos por todos,
que devem ser tomados em caso de acidentes?

Explique a cor atribuída aos Indicadores da DIMENSÃO PROMOÇÃO DA SAÚDE (VERSO)


5 - DIMENSÃO ESPAÇOS, MATERIAIS E MOBILIÁRIOS

Os ambientes físicos da instituição de educação infantil devem refletir uma concepção de educação e cuidado respeitosa das necessidades de desenvolvimento das crianças, em todos seus
aspectos: físico, afetivo, cognitivo, criativo. Espaços internos limpos, bem iluminados e arejados, com visão ampla do exterior, seguros e aconchegantes, revelam a importância conferida às múltiplas necessidades das crianças e dos adultos que com elas trabalham; espaços externos bem cuidados, com jardim e áreas para brincadeiras e jogos, indicam a atenção ao contato com a natureza e à necessidade das crianças de correr, pular, jogar bola, brincar com areia e água, entre outras atividades.
O mobiliário deve ser planejado para o tamanho de bebês e de crianças pequenas: é preciso que os adultos reflitam sobre a altura da visão das crianças, sobre sua capacidade de alcançar e usar os diversos materiais, arrumando os espaços de forma a incentivar a autonomia infantil. Os aspectos de segurança e higiene são muito importantes, mas a preocupação com eles não deve impedir as explorações e iniciativas infantis.
Os bebês e crianças pequenas precisam ter espaços adequados para se mover, brincar no chão, engatinhar, ensaiar os primeiros passos e explorar o ambiente. Brinquedos adequados à sua idade devem estar ao seu alcance sempre que estão acordados. Necessitam também contar com estímulos visuais de cores e formas variadas, renovados periodicamente.
Para propor atividades interessantes e diversificadas às crianças, as professoras precisam ter à disposição materiais, brinquedos e livros infantis em quantidade suficiente. É preciso atentar não só para a existência desses materiais na instituição, mas principalmente para o fato de eles estarem acessíveis às crianças e seu uso previsto nas atividades diárias. Além disso, a forma de apresentá-los às crianças, como são guardados e conservados, se podem ser substituídos quando danificados, são aspectos relevantes para demonstrar a qualidade do trabalho de cuidar e educar desenvolvido na instituição.
Os espaços devem também proporcionar o registro e a divulgação dos projetos educativos desenvolvidos e das produções infantis. Desenhos, fotos, objetos em três dimensões, materiais escritos e imagens de manifestações da expressão infantil estimulam as trocas e novas iniciativas, demonstram resultados do trabalho realizado e constituem um acervo precioso da instituição.

O INDICADOR 5.1. Espaços e mobiliários que favorecem as experiências das
crianças
O 5.1.1. Há espaço organizado para a leitura, como biblioteca ou cantinho de leitura,
equipado com estantes, livros, revistas e outros materiais acessíveis às crianças e
em quantidade suficiente?
O 5.1.2. As janelas ficam numa altura que permita às crianças a visão do espaço externo?
O 5.1.3. Os espaços e equipamentos são acessíveis para acolher as crianças com
deficiência, de acordo com o Decreto-Lei nº 5.296/2004 (Saiba Mais 7)?
O 5.1.4. Há bebedouros, vasos sanitários, pias e chuveiros em número suficiente e
acessíveis às crianças?
O 5.1.5. A instituição disponibiliza nas salas espelhos seguros e na altura das crianças
para que possam brincar e observar a própria imagem diariamente?
O 5.1.6. Há mobiliários e equipamentos acessíveis para crianças com deficiência?
Questão que se refere apenas a bebês e crianças pequenas
O 5.1.7. A instituição prevê móveis firmes para que os bebês e crianças pequenas
possam se apoiar ao tentar ficar de pé sozinhos?


O INDICADOR 5.2. Materiais variados e acessíveis às crianças
O 5.2.1. Há diversos tipos de livros e outros materiais de leitura em quantidade suficiente?
O 5.2.2. Há brinquedos que respondam aos interesses das crianças em quantidade
suficiente e para diversos usos (de faz de conta, para o espaço externo, materiais
não estruturados, de encaixe, de abrir/fechar, de andar, de empurrar, etc.)?
O 5.2.3. Há instrumentos musicais em quantidade suficiente?
O 5.2.4. Há na instituição, ao longo de todo o ano e em quantidade suficiente,
materiais pedagógicos diversos para desenhar, pintar, modelar, construir objetos
tridimensionais (barro, argila, massinha), escrever, experimentar?
O 5.2.5. Há material individual de higiene, de qualidade e em quantidade
suficiente, guardado em locais adequados (sabonetes, fraldas, escovas de
dentes e outros itens)?
O 5.2.6. Há brinquedos, móbiles, livros, materiais pedagógicos e audiovisuais que
incentivam o conhecimento e o respeito às diferenças entre brancos, negros,
indígenas e pessoas com deficiência?
O 5.2.7. Há livros e outros materiais de leitura, brinquedos, materiais pedagógicos
e audiovisuais adequados às necessidades das crianças com deficiência?
Questão que se refere apenas a bebês e crianças pequenas
O 5.2.8. Há objetos e brinquedos de diferentes materiais em quantidade suficiente e
adequados às necessidades dos bebês e crianças pequenas (explorar texturas,
sons, formas e pesos, morder, puxar, por e retirar, empilhar, abrir e fechar, ligar
e desligar, encaixar, empurrar, etc.)?

O INDICADOR 5.3. Espaços, materiais e mobiliários para responder aos interesses
e necessidades dos adultos
O 5.3.1. Há espaço que permite o descanso e o trabalho individual ou coletivo da
equipe que seja confortável, silencioso, com mobiliário adequado para adultos e
separado dos espaços das crianças (para reuniões, estudos, momentos de formação
e planejamento)?
O 5.3.2. Há banheiro de uso exclusivo dos profissionais, com chuveiro, pia e vaso
sanitário?
O 5.3.3. Há espaços especialmente planejados para recepção e acolhimento dos
familiares?
Questão que se refere apenas a bebês e crianças pequenas
O 5.3.4. Há fraldário/mesa/bancada na altura adequada ao adulto para troca de
fraldas dos bebês e crianças pequenas, com segurança?


Explique a cor atribuída aos Indicadores da DIMENSÃO ESPAÇOS, MATERIAIS E MOBILIÁRIOS (VERSO)


6 - DIMENSÃO FORMAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO DAS PROFESSORAS E DEMAIS PROFISSIONAIS

Um dos fatores que mais influem na qualidade da educação é a qualificação dos profissionais que trabalham com as crianças. Professoras bem formadas, com salários dignos, que contam com o apoio da direção, da coordenação pedagógica e dos demais profissionais – trabalhando em equipe, refletindo e procurando aprimorar constantemente suas práticas – são fundamentais na construção de instituições de educação infantil de qualidade.
Esse trabalho, que carrega consigo tanta responsabilidade, precisa ser valorizado na instituição e na comunidade. Na instituição é preciso que as condições de trabalho sejam compatíveis com as múltiplas tarefas envolvidas no cuidado e na educação das crianças até seis anos de idade. Na comunidade, é desejável que se estabeleçam canais de diálogo e comunicação que levem as famílias e demais interessados a conhecer e melhor entender o alcance do trabalho educativo que é desenvolvido com as crianças e o papel desempenhado pelas professoras e demais profissionais na instituição.
Por sua vez, na relação com as famílias, da mesma forma que na atuação com as crianças e colegas, as professoras e todos que trabalham na instituição de educação infantil devem assumir uma postura profissional, fazendo transparecer em suas atitudes a identidade de pessoas cientes da relevância social do trabalho que realizam.

O INDICADOR 6.1. Formação inicial das professoras
O 6.1.1. As professoras têm, no mínimo, a habilitação em nível médio na modalidade
Normal?
O 6.1.2. As professoras são formadas em Pedagogia?

O INDICADOR 6.2. Formação continuada
O 6.2.1. A instituição possui um programa de formação continuada que possibilita
que as professoras planejem, avaliem, aprimorem seus registros e reorientem
suas práticas?
O 6.2.2. A formação continuada atualiza conhecimentos, promovendo a leitura e
discussão de pesquisas e estudos sobre a infância e sobre as práticas de educação
infantil?
O 6.2.3. As professoras são orientadas e apoiadas na inclusão de crianças com
deficiência?
O 6.2.4. Os momentos formativos estão incluídos na jornada de trabalho remunerada
dos profissionais?
O 6.2.5. A formação continuada promove conhecimento e discussão sobre as diferenças
humanas?
O 6.2.6. As professoras conhecem os livros acessíveis para crianças com
deficiência?

O INDICADOR 6.3. Condições de trabalho adequadas
O 6.3.1. Há no mínimo uma professora para cada agrupamento de:
- 6 a 8 crianças até 2 anos ?
- 15 crianças até 3 anos?
- 20 crianças de 4 até 6 anos?
O 6.3.2. As professoras são remuneradas, no mínimo, de acordo com o piso salarial
nacional do magistério ?
O 6.3.3. A instituição conhece e implementa procedimentos que visam prevenir
problemas de saúde das professoras e demais profissionais?

Explique a cor atribuída aos Indicadores da DIMENSÃO FORMAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO DAS PROFESSORAS E DEMAIS PROFISSIONAIS (VERSO)


7 - DIMENSÃO COOPERAÇÃO E TROCA COM AS FAMÍLIAS E PARTICIPAÇÃO NA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL

A presença, entre familiares e profissionais da educação, do sentimento de estar em um lugar que acolhe é fundamental para garantir uma educação infantil de qualidade. E esse sentimento, naturalmente percebido e compartilhado pelas crianças, somente pode ser fruto do respeito, da alegria, da amizade, da consideração entre todos.
A instituição de educação infantil é um espaço de vivências, experiências, aprendizagens.
Nela, as crianças se socializam, brincam e convivem com a diversidade humana. A convivência
com essa diversidade é enriquecida quando os familiares acompanham as vivências e as produções das crianças. Estando aberta a essa participação, a instituição de educação infantil aumenta a possibilidade de fazer um bom trabalho, uma vez que permite a troca de conhecimento entre familiares e profissionais em relação a cada uma das crianças. Assim, família e instituição de educação infantil terão melhores elementos para apoiar as crianças nas suas vivências, saberão mais sobre suas potencialidades, seus gostos, suas dificuldades. Isso, sem dúvida, contribui para aprimorar o processo de “cuidar e educar”.
Os responsáveis por garantir os direitos das crianças não são somente a instituição de educação infantil e a família, razão pela qual é muito importante que as instituições de educação infantil participem da chamada Rede de Proteção aos Direitos das Crianças. Trata-se de se articular aos demais serviços públicos, de saúde, de defesa dos direitos, etc., com a finalidade de contribuir para que a sociedade brasileira consiga fazer com que todas as crianças sejam, de fato, sujeitos de direitos, conforme estabelece o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

O INDICADOR 7.1. Respeito e acolhimento
O 7.1.1. Os familiares sentem-se bem recebidos, acolhidos e tratados com respeito
na instituição, inclusive em seu contato inicial?
O 7.1.2. As professoras e demais profissionais sentem-se respeitadas/os pelos
familiares?
O 7.1.3. Reuniões e entrevistas com os familiares são realizadas em horários
adequados à participação das famílias?
O 7.1.4. O horário de funcionamento e o calendário da instituição atendem às
necessidades das famílias?
O 7.1.5. As professoras e demais profissionais conhecem os familiares das crianças
(seus nomes, onde trabalham, sua religião, onde moram, se as criança têm irmãos)?
O 7.1.6. Há critérios para matrícula das crianças, amplamente discutidos com a
comunidade?
O 7.1.7. Os familiares das crianças com deficiência são bem acolhidos e conhecem o
direito de seus filhos à educação?

O INDICADOR 7.2. Garantia do direito das famílias de acompanhar as vivências
e produções das crianças
O 7.2.1. Há reuniões com os familiares pelo menos três vezes por ano para apresentar
planejamentos, discutir e avaliar as vivências e produções das crianças?
O 7.2.2. Os familiares recebem relatórios sobre as aprendizagens, vivências e
produções das crianças, pelo menos duas vezes ao ano?
O 7.2.3. Familiares de crianças novatas são auxiliados e encorajados a ficar na
instituição até que as mesmas se sintam seguras?
O 7.2.4. Em caso de atendimento à população do campo e ribeirinha, quilombolas,
indígenas, a instituição respeita a identidade dessas populações, seus saberes e
suas necessidades específicas?

O INDICADOR 7.3. Participação da instituição na rede de proteção dos direitos
das crianças
O 7.3.1. A instituição acompanha a frequência das crianças e investiga as razões
das faltas?
O 7.3.2. A instituição encaminha ao Conselho Tutelar os casos de crianças com
sinais de negligência, violência doméstica, exploração sexual e trabalho
infantil?
O 7.3.3. A instituição comunica os casos de doenças infecciosas às famílias e ao
Sistema de Saúde?
O 7.3.4. A instituição encaminha para a sala de recursos multifuncionais as
crianças com deficiência que necessitam de atendimento educacional
especializado?
O 7.3.5. A Secretaria Municipal de Educação informa as instituições de educação
infantil sobre os serviços de educação especial existentes ?


Explique a cor atribuída aos Indicadores da DIMENSÃO COOPERAÇÃO E TROCA COM AS FAMÍLIAS E PARTICIPAÇÃO NA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL (VERSO)


















INDICADOR 8: Valorização Profissional

1. Se sente valorizado como profissional na U.E. O
2. Se sente estimulada para realização de suas funções O

INDICADOR 9: Pontualidade

1. Direção O
2. Secretaria O
3. Coordenadora Pedagógica O
4. Prof. PEI O
5. Prof. Projetos O
6. Auxiliar de Desenvolvimento Infantil O
7. Serviços Gerais O

INDICADOR 10 : Limpeza

1.Salas de aula O
2.Banheiros O
3.Dependências O
4.Refeitório O

INDICADOR 11: Relação Interna da Escola

Direção:
1. Alunos O 2. Prof. O 3. Gestores O 4. Func. O 5. Pais O

Coordenadora Pedagógica:
1. Alunos O 2. Prof. O 3. Gestores O 4. Func. O 5. Pais O

Professores:
1. Alunos O 2. Prof. O 3. Gestores O 4. Func. O 5. Pais O

Funcionários:
1. Alunos O 2. Prof. O 3. Gestores O 4. Func. O 5. Pais O

Alunos:
1. Alunos O 2. Prof. O 3. Gestores O 4. Func. O 5. Pais O

Pais:
1. Alunos O 2. Prof. O 3. Gestores O 4. Func. O 5. Pais O

INDICADOR 12: Desempenho
1. Funcionários O 2. Pais O 3. Gestores O 4. Secretaria O 5. Sistema Educacional O

INDICADOR 13: Avalie
1.Espírito de Equipe O 2.Eventos O 3. Funcionalidade O 4.Exigências O
5. Clima Escolar O 6. Organização do Ambiente Escolar O

Explique as cores atribuídas caso não seja azul aos indicadores 8 ao 13 no verso .

PLANEJAMENTO 10 E 11/03

E.M.E.I. “ Profª. Adélia Dib Jorge”
Planejamento 10/03/2011
Direção: Roselene Hidalgo Miguel Malaguti
Professora Coordenadora Pedagógica: Vivian Roberta Tieso

Se vai tentar
siga em frente.

Senão, nem começe!
Isso pode significar perder namoradas
esposas, família, trabalho...e talvez a cabeça.

Pode significar ficar sem comer por dias,
Pode significar congelar em um parque,
Pode significar cadeia,
Pode significar caçoadas, desolação...

A desolação é o presente
O resto é uma prova de sua paciência,
do quanto realmente quis fazer
E farei, apesar do menosprezo
E será melhor que qualquer coisa que possa imaginar.

Se vai tentar,
Vá em frente.
Não há outro sentimento como este
Ficará sozinho com os Deuses
E as noites serão quentes
Levará a vida com um sorriso perfeito
É a única coisa que vale a pena.
Charles Bukowski

Elaboração do Projeto Político Pedagógico.

Toda escola tem objetivos que deseja alcançar, metas a cumprir e sonhos a realizar. O conjunto dessas aspirações, bem como os meios para concretizá-las, é o que dá forma e vida ao chamado projeto político-pedagógico - o famoso PPP. Se você prestar atenção, as próprias palavras que compõem o nome do documento dizem muito sobre ele:

- É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo.

- É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e críticos, que atuarão individual e coletivamente na sociedade, modificando os rumos que ela vai seguir.

- É pedagógico porque define e organiza as atividades e os projetos educativos necessários ao processo de ensino e aprendizagem.

Ao juntar as três dimensões, o PPP ganha a força de um guia - aquele que indica a direção a seguir não apenas para gestores e professores mas também funcionários, alunos e famílias. Ele precisa ser completo o suficiente para não deixar dúvidas sobre essa rota e flexível o bastante para se adaptar às necessidades de aprendizagem dos alunos. Por isso, dizem os especialistas, a sua elaboração precisa contemplar os seguintes tópicos:

Definição da missão (ou marco referencial)
O que é?
Conjunto dos valores nos quais a comunidade escolar acredita e das aspirações que tem em relação à aprendizagem dos alunos. Precisa responder a perguntas como: "Para nós, o que é Educação?" e "Que aluno queremos formar?" Também pode ser chamado de marco referencial.

Por que é importante?
Define a identidade da instituição e a direção na qual ela vai caminhar. Se um dos objetivos é formar pessoas críticas e autônomas, deve-se investir na gestão participativa e em projetos em que todos os segmentos tenham voz e assumam responsabilidades.

Onde buscar informações?
Duas boas referências são os planos municipal e estadual de Educação, quando existirem na rede. Contudo, usá-los como base não exime a escola de detalhar os próprios valores. É preciso que a equipe gestora ouça a comunidade para estabelecer com ela os princípios desejados.
Como fazer?
Os princípios e valores da escola devem ser discutidos em reuniões pedagógicas ou institucionais (com os funcionários) e assembléias do conselho escolar, do conselho de classe e do grêmio estudantil. É papel do diretor participar de todos esses encontros, levar material bibliográfico que possa embasar as discussões e registrar o que foi debatido. Depois disso, a direção também deve fazer a redação deste trecho do PPP - levando em consideração o que dizem os planos municipal ou estadual de Educação, quando existirem -, compartilhá-lo com toda a comunidade escolar e acolher sugestões e críticas.

Como apresentar no PPP?
Em um texto sucinto e objetivo, que comunique a identidade da escola com clareza a qualquer leitor do documento, seja ele professor, funcionário, pai ou aluno.

Quem faz bem feito?
A EMEF Mario Quintana, em Porto Alegre, fica em um bairro sem saneamento básico e com altos índices de desemprego. "Fizemos um levantamento com as famílias para saber as expectativas em relação ao ensino dos filhos", conta a vice-diretora, Silvana Conti. Com base nele, foi definido que o PPP seria construído sobre três bases: a Educação popular, para estimular o protagonismo e a participação política; a Educação ambiental, para formar alunos preocupados com o ambiente em que vivem; e o respeito à diversidade, a fim de ter uma comunidade centrada no respeito às diferenças. Os docentes formaram grupos de trabalho que, semanalmente, planejam ações que contemplam esses eixos.
Descrição da clientela
O que é?
Breve histórico da comunidade e da fundação da escola e um levantamento detalhado sobre as condições social, econômica e cultural das famílias.

Por que é importante?
Oferece informações para que a instituição elabore as diretrizes pedagógicas e defina a maneira pela qual vai se relacionar e se comunicar com a comunidade.

Onde buscar informações?
A melhor fonte é a ficha de matrícula (leia mais na reportagem), mas podem ser preparados questionários específicos ou feitas entrevistas com os pais. -reunião

Como fazer?
Paralelamente ao processo de elaboração da missão, o diretor deve reunir as informações de todas as fichas de matrícula (e de possíveis questionários complementares preenchidos pelas famílias), organizando-as em tabelas e gráficos por assunto (renda, escolaridade e profissão dos pais, cidade de origem, entre outros).
Para um resultado mais detalhado, pode-se dividir as informações sobre cada assunto também por séries e turmas. Tabulados e analisados os dados, é preciso apresentar o resultado parcial aos demais gestores e aos professores - ainda que faltem etapas para a conclusão do PPP -, de modo que todos conheçam a clientela atendida e possam pensar na melhor forma de desenvolver projetos pedagógicos e institucionais e se relacionar com as famílias.
Como apresentar no PPP?
Em tabelas ou gráficos que organizam os dados e ajudam na visualização das características importantes (como cidade de origem, faixa de renda, grau de instrução e profissão dos pais, religião e hábitos que cultivam). Eles devem estar acompanhados de textos analíticos. Vale lembrar que esta é uma parte do PPP que precisa ser revista periodicamente, pois pode haver mudanças na caracterização do público.

Quem faz bem feito?
A equipe da EMEF Ezequiel Fraga Rocha, em Aracruz, a 79 quilômetros de Vitória, tem cerca de 10% dos alunos morando em aldeias indígenas ou próximo a elas. Os demais vivem em outras áreas rurais e também na cidade. "A diversidade é tanta que reformamos nosso currículo e mudamos as diretrizes no PPP para contemplar de maneira mais ampla a história e a cultura das etnias aqui presentes. Com isso, visamos elaborar projetos que valorizem a origem dos alunos e os conhecimentos que trazem de casa, tornando a aprendizagem mais significativa", relata a diretora, Solange Siqueira Magalhães.
Levantamento dos dados sobre aprendizagem
O que são?
Informações quantitativas sobre matrículas, aprovação, reprovação, evasão, distorção idade/série, transferências e resultados de avaliações.

Por que são importantes?
Compõem um retrato da aprendizagem na escola e permitem aferir a qualidade do ensino. "Por trás de cada número de evasão ou repetência, está um problema de ensino que precisa ser solucionado", diz Regina Celi Oliveira da Cunha, professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Onde buscar informações?
Nos quadros de aprovação, reprovação e movimentação de alunos preparados para enviar ao Ministério da Educação (MEC) e à Secretaria de Educação, nos relatórios das avaliações externas e nas avaliações internas.

Como fazer?
Enquanto os dados sobre a clientela são tabulados (ou mesmo antes ou depois disso, caso julgue melhor), o diretor, junto com o coordenador pedagógico, deve reunir e tabular as informações sobre matrículas, aprovação, reprovação, evasão, distorção idade-série e transferências, e resultados de avaliações internas e externas. Aqui, também é necessário separar os dados em gráficos e tabelas (por assunto, séries e turmas), produzir textos analíticos sobre eles e depois compartilhar o material com o restante da equipe, a fim de permitir a localização de possíveis problemas e a definição de metas e ações.
Como apresentar no PPP?
Em tabelas ou gráficos por tema (como evasão e aprovação) e por disciplina (para mostrar a aprendizagem de uma área ao longo do tempo), acompanhados de análises.

Quem faz bem feito?
Uma das primeiras medidas que a equipe da EM Bernardo Ferreira Guimarães, em Rio Piracicaba, a 130 quilômetros de Belo Horizonte, tomou ao começar a elaborar o PPP foram as planilhas de notas. "Detectamos baixo desempenho em Matemática e incluímos no PPP um projeto de apoio pedagógico no contraturno", conta Marisa Bueno de Freitas, diretora da escola, que especificou também os recursos necessários. Os primeiros resultados já aparecem: a maioria dos alunos que participam do projeto está com 70 a 90% de aproveitamento.
Estudo do relacionamento com as famílias
O que é?
A definição da maneira como os pais podem contribuir com os projetos da instituição e participar das tomadas de decisões.

Por que é importante?
A escola existe para atender à sociedade e a integração das famílias no processo pedagógico é garantida tanto pela LDB como pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Onde buscar informações?
Cada projeto deve prever um tipo de participação (entrevista com os pais, ajuda na pesquisa etc.). Porém é preciso consultar os instrumentos de identificação da clientela para analisar a viabilidade das propostas.

Como fazer?
Enquanto realiza os três primeiros levantamentos, o diretor também já pode ficar atento à maneira com que a escola se relaciona com as famílias dos alunos, por meio dos instrumentos de identificação da clientela e de conversas com as famílias - seja nas reuniões de pais, no conselho escolar ou mesmo em eventos. Já nos encontros com a equipe, o gestor deve conversar sobre como está a parceria hoje e o que se espera construir no futuro, reflexões que, em seguida, o próprio diretor formaliza em um texto escrito.
Como apresentar no PPP?
Descrição do vínculo que se pretende construir, estabelecendo metas para o fortalecimento do Conselho Escolar e a presença nas reuniões de pais.

Quem faz bem feito?
Um dos desafios que a UE Doutor José Ribamar de Matos, em Vitória do Mearim, a 178 quilômetros de São Luís, enfrentou na formulação do PPP foi afinar a relação com as famílias. Havia dois obstáculos: as reuniões de pais tinham baixa frequência e não havia resposta quando a direção requisitava ajuda nas tarefas de casa. O primeiro foi superado com a mudança na pauta dos encontros. "Em vez de falar só de problemas, passamos a informar sobre os projetos e os avanços das crianças", relata o diretor, João Teixeira de Carvalho Neto. Já o segundo deixou de ser um impedimento para um relacionamento quando, ao analisar os dados da clientela, constatou-se que 65% dos pais têm escolaridade baixa - deixando claro que a pouca ajuda nos deveres não tem relação com a falta de interesse.
Pesquisa sobre os recursos
O que são?
Descrição da estrutura física da escola (prédios, salas, equipamentos, mobiliários e espaços livres), dos recursos humanos (composição da equipe, qualificação e horas de trabalho) e financeiros (Programa Dinheiro Direto na Escola, via Secretaria de Educação etc.) e dos materiais pedagógicos.

Por que são importantes?
Os inventários deixam explícitas as condições do espaço de que a escola dispõe para desenvolver os projetos, a formação atual da equipe e as necessidade de capacitação e quanto está disponível para reformas, construções, cursos, compra de material pedagógico etc.

Onde buscar informações?
É preciso fazer um levantamento de campo detalhado a respeito de cada uma das áreas - o que pode ser dividido com outros membros da equipe - e solicitar ajuda da secretaria da escola para coletar os dados sobre os funcionários (quantos são, o que fazem e a formação que têm).

Como fazer?
Para reunir todos esses números e informações, é recomendável solicitar ajuda dos colegas, como os profissionais da secretaria da escola (que podem ajudar com dados sobre composição da equipe, qualificação e horas de trabalho) e coordenadores pedagógicos (que sabem a estrutura e os recursos utilizados e almejados para os encontros de formação). O material coletado por eles deve ser somado às pesquisas que o próprio diretor conduz sobre os recursos físicos e financeiros e relatados também pelo gestor em um texto descritivo.; z
Como apresentar no PPP?
Por meio de relatos escritos sobre a estrutura física, de tabelas mostrando a quantidade e a qualidade dos recursos pedagógicos e humanos e de gráficos com as informações financeiras.

Quem faz bem feito?
Os espaços da EMEI Francisca Pinheiro Teixeira, em Cantagalo, a 182 quilômetros do Rio de Janeiro, ainda não são como a equipe gostaria, mas todos sabem que é importante relatar no PPP a estrutura atual e definir metas para o futuro. "Fizemos uma pesquisa com gestores, professores e funcionários sobre o que funciona e o que falta para melhorar o nosso atendimento. Temos uma sala de multimeios bem montada, mas nos falta uma sala de informática. Para consegui-la, definimos no PPP que vamos buscar ajuda na Secretaria de Educação", diz a orientadora pedagógica, Cássia Ravena Mulin de Assis Medel. Também são descritos os recursos pedagógicos e humanos, em especial a formação continuada e os cursos feitos pelos docentes, a fim de acompanhar a atualização profissional.

Estabelecimento de diretrizes pedagógicas
O que são?
Formam o currículo da escola e descrevem os conteúdos e os objetivos de ensino, as metas de aprendizagem e a forma de avaliação, por série ou ciclo e por disciplina.

Por que são importantes?
É baseado nelas que a equipe formula planos para implantar programas e projetos e produz indicadores sobre o impacto das ações. "As estratégias devem ser mantidas ou reformuladas de acordo com os objetivos da escola", esclarece Regina Célia Lico Suzuki, diretora de Orientação Técnica da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo.

Onde buscar informações?
Nos dados de aprendizagem da escola, nos referenciais curriculares de Secretarias estaduais e municipais, nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), nos indicadores de qualidade e no Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE).

Como fazer?
Esta é uma seção do PPP que deve ser conduzida pela coordenação pedagógica e pelos professores da escola, que mantêm contato mais estreito com as necessidades de aprendizagem dos alunos. Assim, o levantamento sobre a situação atual e o cenário desejável pode começar já no início do processo. Depois, cabe ao coordenador responsável pela pesquisa redigir os objetivos e conteúdos de cada área ou disciplina, bem como as expectativas e metas de aprendizagem por série e ciclo, e compartilhar e ajustar o texto com toda equipe.
Como apresentar no PPP?
Em forma de planilha, contemplando todos os itens (conteúdos, metas etc.) por série ou ciclo e por disciplina.

Quem faz bem feito?
Todo início de ano, a equipe da EMEF Conde Pereira Carneiro, em São Paulo, retoma os registros sobre a aprendizagem dos alunos e os compara com os resultados da rede municipal. Assim, nascem as primeiras propostas para o próximo período, contemplando projetos da Secretaria de Educação e os desenvolvidos pela escola. "Incluímos no PPP o que não consta nas diretrizes da rede. Depois da Prova São Paulo (exame de avaliação da rede paulista), recebemos devolutivas sobre o desempenho dos estudantes. Com base nelas, ajustamos nossas diretrizes e elaboramos materiais didáticos internos para trabalhar os conteúdos essenciais", destaca a coordenadora pedagógica, Maria da Conceição Marques Ferreira.
Elaboração do plano de ação
O que é?
Lista completa com todas as ações e os projetos institucionais da escola para o ano letivo.

Por que é importante?
Com base em tudo o que foi pesquisado e estudado nas etapas anteriores do PPP, estabelece o que será feito (na prática) em benefício dos processos de ensino e de aprendizagem para atingir os objetivos definidos inicialmente.

Onde buscar informações?
Em projetos que deram certo em anos anteriores, na própria escola ou em outras unidades com as mesmas necessidades de ensino, em livros de didáticas específicas e junto à equipe técnica da Secretaria de Educação.

Como fazer?
Esta parte do PPP deve, em especial, ser debatida com a equipe de gestores e professores. Assim, todos podem opinar sobre os projetos necessários ao processo de ensino e aprendizagem, conhecer o conjunto do trabalho que entrará em vigor na escola e oferecer ajuda e contribuição naquilo que for possível. Ao final dos debates, fica com os gestores a tarefa de redigir o texto que constará no projeto político pedagógico.
Como apresentar no PPP?
Os tópicos necessários em cada um dos projetos descritos são: objetivos, duração, profissionais responsáveis, parceiros, encaminhamentos, etapas e avaliação.

Quem faz bem feito?
À medida que surgem novas demandas, a EM Parque Piauí, em Teresina, revê o plano de ação do PPP e desenvolve projetos específicos. "Houve um período", conta o diretor, Julinho Silva dos Santos, "em que tínhamos problemas de baixa frequência. Em reuniões de equipe, elaboramos um projeto institucional para acompanhar de forma mais eficaz a presença dos alunos, além da tradicional chamada feita pelos professores. Passamos a entrar nas salas de aula todos os dias e a procurar as famílias." Também há projetos com ações pedagógicas, como um programa de rádio voltado ao aprimoramento da leitura e da oralidade - que, nos últimos anos, melhorou o desempenho das turmas em Língua Portuguesa e na compreessão dos textos em todas as disciplinas.
Para refletir e responder:
Para nós, o que é educação?
Que aluno queremos formar?
Quais são os valores da nossa U.E.?
O que você acha que a comunidade espera de nós?
Você acha que da forma que estamos caminhando, conseguiremos atingir um bom objetivo?
Quando você está trabalhando, você tem em mente que a escola existe para ATENDER A SOCIEDADE?
Qual o objetivo da escola?
O que você chamaria de Plano de Ação para a melhoria da U.E e onde você se encaixaria neste plano?


Leitura e Reflexão: Alfabetização. Uma reflexão necessária. Roberto A. Torres Leme. Revista UDEMO.

Leitura e Reflexão: 6 práticas essenciais na alfabetização. Anderson Moço. Revista Nova Escola. Jan/Fev.2011

E.M.E.I. “Profª. Adélia Dib Jorge”
Diretora: Roselene Hidalgo Miguel Malaguti
Professora Coordenadora Pedagógica: Vivian Roberta Tieso

Planejamento 11/03/2011


Crônica: As três pipas do vovô. Aline Dexheimer

-Amanhã é dia de que? – Meus filhos perguntam, os três ao mesmo tempo.
- Amanhã é dia de vovô e vovó – Eu respondo.
Eles saem saltitantes pela casa brincando e gritando.
-EBA! Amanhã é dia de vovô.
Como é bom "ser" criança e esperar pela visita dos avós no "mingo" (Domingo, dia dos avós). Uma semana eles vêem, outra nós vamos.
Neste dia, o vovô veio cheio de papéis, cola e tesoura. É dia de vovô e também de churrasco. OBA!
A surpresa do dia. O Vovô faria pipas para as crianças. Depois do churrasco, o vovô sentou, rodeado de seus trinetos para confeccionar as pipas. Sentados lá na garagem, ficaram a tarde toda fazendo uma pipa, enquanto ele resgatava gostosas memórias de sua própria infância. Uma tarde não seria suficiente para as três pipas. Mas a diversão já estava preparada. Só faltava o vento!
Cadê o vento?
Naquela tarde muito quente de verão não tinha vento, mas não impediu que a turma se divertisse da mesma forma. Foi preciso mais um domingo para o término das pipas. E o tão esperado dia de vento apareceu, afinal. Munido das três pipas, dos trinetos e eu, com a câmera a tira colo, vovô partiu para o que seria a nossa aventura dominical. Chegamos de mansinho naquela praça no final da tarde. Havia crianças brincando de bola, casais tomando chimarrão, crianças no balanço, outros exercitando-se. Talvez, chovesse. Talvez ventasse. Estava estranho. A principio, nenhum vento, para a tristeza das crianças. O vovô meio desapontado olhava para as nuvens. De repente, uma brisa o animou. Ele disse:
- Olha o vento! – Correu para o carro e buscou as três pipas.
Elas teimaram um pouco, mas subiram. Aos poucos as crianças pegaram o jeito. Corriam pela grande praça, enquanto as pipas voavam chamando atenção do restante das pessoas. Aos poucos outras crianças foram surgindo e querendo experimentar, crianças, talvez, sem um avô maravilhoso como este que confeccionava pipas.
De longe, sentada no banco eu registrava os momentos com todas as fotos que podia. Meu pai ao lado dos netos e rodeado de crianças de todas as cores. Agradeci pelo momento tão maravilhoso desfrutado ao lado de meu pai e meus filhos trigêmeos.
Uma brincadeira quase tão rara nas nossas praças de cidades grandes com pais e avôs ocupados. Uma brincadeira gostosa num lindo final de tarde de verão coroada pelos raios de um por de sol igualmente raro.
Como é bom "ter" crianças e viver toda esta alegria.
Por isso, não me canso de agradecer:
-Obrigada.Viva o Vovô com suas três pipas!

Leitura: A inteligência em quatro tempos. Elisângela Fernandes. Revista Nova Escola. Jan/Fev 2011.

Projeto Trilhas Natura.

Apostila/Material Positivo.

sexta-feira, 11 de março de 2011